Buscar

Os benefícios da Adubação Verde


Por Igor Barbosa Marques


Os chamados adubos verdes são espécies utilizadas para contribuir na recuperação e conservação da qualidade do solo. Elas são, em sua maioria, leguminosas, e podem colaborar na melhoria dos aspectos químicos, físicos e biológicos de solos degradados por agricultura intensiva, pastagens e outras atividades manejadas de forma não sustentável.

A adubação verde pode ser utilizada em diversas situações, como por exemplo:

  • Na rotação de culturas agrícolas, como forma de descansar a área, incorporar matéria orgânica, descompactar e equilibrar a biodiversidade do solo;

  • Nas entrelinhas de plantios agrícolas ou florestais, tendo importância na proteção e sombreamento do solo, o que reduz a necessidade de insumos químicos para controle de daninhas;

  • Na recuperação de áreas degradadas, colaborando para o aumento da fertilidade, melhoria das condições físicas e, consequentemente, dando condições para o aumento da vida e qualidade do solo.


E quais os seus benefícios para o solo?


Aspectos químicos

As espécies leguminosas possuem a capacidade de fixar nitrogênio atmosférico através de uma associação com as bactérias dos gêneros Rhizobium e Bradyrhizobium. Essa interação permite que elas forneçam nitrogênio em grandes quantidades, substituindo o uso de fertilizantes químicos para as mais diversas culturas agrícolas. Existem ainda espécies que podem disponibilizar o fósforo já existente no solo, mas que estava indisponível para absorção das plantas.


A longo prazo, elas também são responsáveis por aumentar o volume de matéria orgânica, através da decomposição de suas folhas, galhos e raízes na superfície e subsuperfície do solo. Isso contribui para que os nutrientes fiquem retidos no solo e não sejam perdidos com as chuvas, além de diminuir a acidez e presença de alumínio tóxico no solo.


Outro ponto positivo, principalmente para culturas agrícolas, se dá pela possibilidade de reciclar nutrientes presentes no solo, já que as raízes de leguminosas costumam atingir camadas mais profundas que muitas espécies comerciais não exploram. Com isso, elas absorvem esses nutrientes e, após seu corte, os depositam na superfície, se tornando mais acessível às plantas subsequentes.


Aspectos físicos

O aumento do aporte de matéria orgânica, já comentado anteriormente, colabora também para a melhora das condições físicas, já que a sua presença gera uma maior agregação das partículas, redução da densidade e aumento da porosidade do solo. Essa condição colabora na infiltração e retenção de água no solo, permitindo que as plantas tenham mais água disponível e por mais tempo. Além disso, as folhas e galhos que caem na superfície geram uma espécie de camada de proteção mecânica, que mantém a temperatura do solo estável e o protege contra impactos das gotas de chuva. Outra consideração importante é que essas espécies produzem um grande volume de raízes, e muitas conseguem atingir camadas mais profundas do solo. Por conta disso, as leguminosas podem atuar na descompactação do solo, gerado por pisoteio de gado ou uso de maquinário intensivo.


Aspectos biológicos

A matéria orgânica gerada pelo adubo verde, mais uma vez, se apresenta como um importante componente do solo. Ela serve como fonte de energia para os fungos, bactérias, minhocas e os mais diversos organismos que habitam o solo, colaborando para o desenvolvimento de uma biodiversidade que irá contribuir na descompactação do solo, melhora da infiltração e aumento da reciclagem de nutrientes. Além das bactérias dos gêneros Rhizobium e Bradyrhizobium, já citadas anteriormente, as espécies leguminosas também possuem importante interação com fungos micorrízicos, que funcionam como uma espécie de “extensão” das raízes, permitindo a absorção de água e nutrientes em maiores regiões do solo. Diferente das bactérias citadas, esses fungos podem se relacionar com uma grande variedade de plantas, contribuindo para uma melhora na nutrição e consequente aumento da produtividade delas.


Outro ponto importante se dá com relação a temperatura do solo. A manutenção da temperatura, comentada anteriormente, é essencial para a vida no solo, já que os organismos que o habitam são muito sensíveis e não suportam as grandes alterações de temperatura que ocorrem em condições de solo exposto.


Aqui vai uma lista das principais espécies utilizadas como adubo verde:



Crotalária

A crotalária é um gênero de leguminosa muito utilizado para adubação verde

e que possui quatro espécies populares: a crotalária-juncea, a crotalária-ochroleuca, a crotalária-breviflora e a crotalária-spectabilis. Elas são leguminosas anuais de primavera-verão e tem suas características variadas, que podem ir desde produção de grandes volumes de biomassa a descompactação do solo.




Feijão-de-porco

É uma planta de cobertura de primavera-verão, anual e rústica. Sua principal característica é o uso para controle de daninhas, já que possui um rápido recobrimento de solo. Devido ao seu porte baixo é muito utilizada nas entrelinhas de culturas perenes, sendo uma boa produtora de biomassa e fixadora de nitrogênio.



Guandu

O guandu (ou feijão-guandu) é uma planta semi-perene de crescimento ereto, ciclo entre 90 a 180 dias, e que tem a capacidade de rebrotar após o corte. Seu diferencial é a grande capacidade de fixar nitrogênio e ausência de grandes exigências climáticas. A espécie tem uma grande produtividade de biomassa e é muito utilizada em consórcio com outras culturas.



Nabo-forrageiro

Diferente das anteriores, o nabo-forrageiro é uma espécie de outono-inverno, que recobre o solo rapidamente e colabora no controle de daninhas. Sua raiz colabora na descompactação do solo e tem alta capacidade de reciclagem de nutrientes. Pode ser utilizada na rotação de culturas ou em consórcio com citros.


Referências Bibliográficas

ESPÍNDOLA, J.A.A.; GUERRA, J.G.M.; ALMEIDA, D.L. de. Adubação verde: Estratégia para uma agricultura sustentável. Seropédica: Embrapa-Agrobiologia, 1997. 20p. (Embrapa-CNPAB. Documentos, 42). Disponível em: <https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/624248/1/doc042.pdf>. Acesso em: 01 jun. 2021.

SAGRILO, E. et al. Manejo agroecológico do solo: os benefícios da adubação verde. Teresina: Embrapa Meio-Norte, 2009. 24 p.; 21 cm. - (Documentos / Embrapa Meio-Norte, ISSN 0104- 866X ; 193). Disponível em: <https://core.ac.uk/download/pdf/15446683.pdf>. Acesso em: 01 jul. 2021.



Gostaria de adquirir esse tipo de adubação mais sustentável e produtiva para o solo na sua propriedade ou saber mais? Entre em contato com a ESALQ Jr. Florestal!

24 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo